Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Coisas da Vida

Os buracos de Lisboa deram à "costa"

 

Falar de política é, na maior parte dos casos, um tema polémico. Mas a política faz parte do nosso quotidiano, afeta diretamente as pessoas. E isto é ainda mais verdade quando falamos de política regional, ao nível das autarquias.

 

Vivemos atualmente momentos complicados, com o aproximar das eleições legislativas e com a crise grega. E estamos a olhar para alternativas. Quando ouvimos os homens que se apresentam como candidatos, convém ver também a obra feita. Os contributos que deixaram pelas funções públicas exercidas.

Quando não se gasta, nem se investe, poupa-se dinheiro mas deixa-se ao sabor dos elementos a degradação das ruas, das casas, da qualidade de vida das pessoas.

António Costa já mostrou, por diversas vezes, o "excelente trabalho" no equilíbrio das contas da Câmara Municipal de Lisboa. Hoje, sem espanto, para qualquer lisboeta, temos a oportunidade de ler Fernando Medina, o atual presidente da autarquia, afirmar o seguinte sobre um investimento de 25 milhões de euros em arruamentos:“Isto é reconhecido por todos. É uma evidência o estado de degradação acentuado que muitas das nossas artérias apresentam hoje".

 

E não estamos a falar de ruas secundárias, mais uma vez, as intervenções planeadas debruçam-se sobre as mais visíveis, aquelas que vão permitir "mostrar obra".

 

"Já este ano, há intervenções prioritárias que arrancam em algumas das principais vias da cidade: em todo o eixo da Avenida das Forças Armadas, da Av. Dos Estados Unidos da América, da Av. Gago Coutinho, do Campo Grande e Entrecampos".

 

Porque depois destes anos de "poupança", que poderiam ser evitados pois o custo vai existir na mesma, só que acumulado, em vez de realizado espaçadamente, os eleitores vão querer mais da autarquia.

 

Como se costuma dizer, é fácil fazer as contas. Quando não se gasta, nem se investe, poupa-se dinheiro mas deixa-se ao sabor dos elementos a degradação das ruas, das casas, da qualidade de vida das pessoas.

 

Que alternativa tem Portugal nas próximas legislativas? 

6 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D