Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Coisas da Vida

Afinal, gostamos de regimes totalitários?

ar.jpg

 

Vamos imaginar que sou um extraterrestre. Que, ao contrário do que sucede nos filmes de Hollywood, aterro em Portugal e não nos EUA. Ao olhar para aquilo que se passa, estudando a espécie, a conclusão seria que o povo português, pela voz dos partidos políticos eleitos para a Assembleia da República, defendem um regime totalitário.

 

Todos dizem o mesmo, sem maioria absoluta é impossível formar um Governo. Creio que, depois de ouvir isto, nada mais vale a pena ouvir. Percebe-se que as figuras que nos entram pela televisão diariamente, a qualquer hora, apenas pensam no poder. Apenas querem fazer aquilo que lhes interessa em vez de apostarem em estratégias de consenso que façam levar a bom porto as medidas que melhor servem o país e os portugueses.

A Assembleia da República merece que os partidos a respeitem, trabalhando para consensos que sirvam os interesses dos portugueses!

"Eles fazem o que querem", bradaram por centenas de vezes os partidos da oposição durante estes últimos quatro anos em relação às medidas do Governo. Pois bem, agora têm a possibilidade, e foi isso que estas eleições ditaram, de unir esforços para conseguir consensos. Mas aquilo que se tem assistido é apenas a política do típico "bota abaixo". Porque instabilidade é o que faz garantir lugares na Assembleia da República.

 

Chega! O país deve estar em primeiro lugar e se há coisa que não quero voltar a ter é um regime comandado por alguém que me impede de ser livre. Por isso, fico chocado sempre que ouço as pessoas de partidos como o Bloco de Esquerda, o PCP ou o PS, defenderem que só com a maioria absoluta pode haver um Governo.

À coligação com maioria, compete apresentar propostas que reunam consenso com o PS e, porque não, com os partidos mais à esquerda? Afinal, também foram eleitos e os votantes têm direito a ver representadas algumas das suas vontades.

 

Eu repito, se é para ter um Governo totalitário, acabe-se com a Assembleia da República pois não serve para nada. Perdem horas a discutir propostas que irão ser votadas. E já todos sabem como acaba a votação: se for proposta do Governo absoluto, é aprovada, se for da oposição, chumbada.

 

Não tem de ser assim. Há um meio termo que serve o país, que serve a democracia. Entendam-se e façam aquilo para que foram eleitos. Defendam a democracia, os portugueses, o país!

 

Nem a coligação que teve a maioria nas eleições tem de governar com as políticas da oposição, nem a oposição tem de acatar as políticas da maioria. Há, certamente, o meio termo ideal. Assim haja vontade em fazer pelo bem público deixando de lado a sede pelo poder.

 

Somos latinos, temos sangue quente, como ouvi ontem Pedro Santana Lopes afirmar na televisão, mas acredito que é possível um consenso à semelhança do que se passa na Suécia ou até na Alemanha onde, ideologias diferentes conseguem trabalhar numa união governativa.

 

Para quem se questiona sobre a maioria formada pela soma dos partidos à esquerda, creio que há consenso quando se coloca em dúvida uma união entre partidos que durante toda a campanha se atacaram e criticaram tão ferozmente. Ainda estamos em democracia e são os votos clarificados que valem. Porque existe a dúvida: será que quem votou no Bloco de Esquerda e no PS, votaria da mesma forma se soubesse que iriam governar em conjunto?

 

Por isso, se não for por mais nada, salvem a Assembleia da República!

5 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D