Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Coisas da Vida

A Sara morreu, porquê?

Hoje, infelizmente, mais uma criança morreu vítima de maus tratos por parte dos próprios pais. É nojento e, acima de tudo, poderia ser evitado. Desde 2005 que a Sara está referenciada como uma criança em risco pela Segurança Social mas, mais uma vez, é mais fácil deixar andar para ver até onde a criança aguenta do que tomar uma atitude.

Agora, a chorar sobre o leite derramado, multiplicam-se as vozes de ministros e responsáveis a tentar sacudir a água do capote. A culpa não pode morrer solteira, mais uma vez. Há centenas de crianças em risco em  Portugal e nem a enorme quantidade de instituições existentes conseguem evitar a tragédia.

Será fácil, e sinceramente acredito apenas porque é um caso mediático, culpar a mãe e o pai da menina de apenas 2 anos. E serão certamente, dado as provas mostradas até ao momento. Mas, sabendo que o caso era conhecido das autoridades, porque se deixou chegar a este ponto? Quantas mais Saras terão de sofrer para que os mecanismos de protecção de menores funcione realmente?

A dificuldade que um casal tem ainda hoje para adoptar uma criança é enorme, e, quem sabe, uma estrutura bem montada poderia encaminhar crianças em risco para a adopção. Eu sei, não é fácil tirar um filho a uma mãe, mas será justo deixar morrer crianças às mãos das únicas pessoas que as podem e têm a obrigação de proteger?

Quantas mais crianças estão, neste preciso momento, a sofrer danos, físicos e psicológicos, que vão influenciar toda a sua vida? A solução não é fácil, depende de cada um de nós. Depende dos pais que colocam no mundo uma criança e não têm condições para a educar e, muitas vezes, nem sequer para a amar.

A política de adopção tem de ser revista e cabe à Segurança Social e protecção de menores avaliar todos os casos e, se for essa a solução, encaminhar as crianças em risco, ainda pequenas, para adopção. Nem tudo será perfeito mas, provavelmente, irão crescer no seio de uma família que as ama e quer realmente ajudar a ser felizes.

A Sara não morreu, foi morta. Que mal terá feito para merecer tal sentença?

Paulo M. Guerrinha

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D